terça-feira, 19 de maio de 2009

SEGUNDO CASAMENTO

Posso me casar de novo?

1. O que a Bíblia diz sobre o segundo casamento?

Resposta.
Só os viúvos e viúvas podem se casar novamente. “Porque a mulher que está sujeita ao marido, enquanto ele viver, ela está-lhe ligada pela lei, mas morto o marido, está livre da lei do marido. De sorte que, vivendo o marido será chamada adultera se for doutro marido; mas morto o marido, livre está da lei e assim não será adultera se for doutro marido” (Romanos 7: 2-3); (I Coríntios 7: 10-11) “Todavia aos casados, mando não eu, mas o Senhor, que a mulher não se aparte do seu marido, se, porém, se apartar, que fique sem casar ou reconcilie com o marido, e que o marido não deixe a mulher.”, (compare Marcos 10: 8-9).
Também vos digo que, se dois de vós concordardes na terra acerca de qualquer coisa que pedirem isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus (Mateus 19: 19)

A COMPROVAÇÃO DE DEUS

PERDÃO

Em se tratando de uma separação, é bom lembrar, que, para o casal se separar a sempre um motivo considerado insolúvel para ambas as partes.

1. Pequenos desentendimentos.

· Como usar e guardar o tubo do creme dental;
· Como cada um deixa o banheiro após o banho;
· Cuidados da casa;
· Cuidado com as louças após as refeições;
· Cuidados pessoais nas questões de como cada um se vestem;
· A falta de cuidados com o corpo – Excesso de peso tanto do homem como da mulher;
· Esposa que fala de mais;
· Marido que fala de menos;
· Marido ou mulher exigente; cobra tudo a toda hora;
· Marido que não para em casa;
· Ausência de carinho;
· Rejeição continuada à prática de sexo;
· Comida mal feita;
· Esperdício de alimentos;
· Gastos excessivos com roupas, incompatível com a renda familiar;
· Gastos excessivos com produtos desnecessários ou adiáveis;
· Falta de transparência quanto à renda do casal – O marido esconde da mulher quanto ganha – A mulher mente ao marido o valor real do seu salário;
· Esposa que nunca está em casa quando o marido chega;
· E muitas outras picuinhas.
2. Incompatibilidade de gênio

Duas pessoas de personalidades fortes e opostos não se combinam, (Amós 3: 3) “Porventura andarão dois juntos, se não estiverem de acordo?”

3. Incompatibilidade de fé
(2 Aos Coríntios 6: 14) “Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?”
Diante de Deus há duas categorias de pessoas, os justos e ímpios, ou seja, os que estão com Cristo e os que não estão. (Salmos 1: 6) “Porque o Senhor conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá”.

O crente não deve ter associação ou amizade íntima com os incrédulos, pois um relacionamento assim tende a corromper a fé e a comunhão com Deus e com a igreja. Neste contesto pode-se incluir as sociedades em negócios, as ordens secretas (Maçonaria), namoro e casamento.

4. Traição ou infidelidade conjugal

Pergunta.
a) Por que fui traído?
b) Por que traí?
Em qualquer tipo de erro que venhamos a cair, há sempre um agente causador.
No caso da traição ou da infidelidade entre o casal podemos mencionar com precisão os que são comuns entre o casal e que normalmente não são levados a serio.
Há um ditado popular interessante: Quando o boi pula a cerca para pastar no pasto do vizinho é sinal de que lhe falta comida em seu pasto. Engraçado e repetitivo: Pasto... Pasto... Pasto! Mas é uma realidade; se o marido ou a mulher corresponderem aos desejos sexuais do seu cônjuge o risco de traição fica próximo de zero.
Matando a fome em casa não terei apetite em comer a comida do vizinho!
Se me satisfiz sexualmente em casa, por mais bonita, sex, ou atraente que seja a pessoa que por ventura me provoque, e, ainda que meu instinto me impulsionar ao ato de sedução não me renderei com facilidade porque a minha consciência me avisará de que tenho alguém à altura das realizações necessárias e prazerosa a que meu corpo precisa para sobreviver tranqüilo e feliz.
Mas se por falta de experiência, de instrução ou até mesmo por falta de testemunho dos nossos pais, caímos ou cometemos todos estes erros é necessário que se encontre uma solução.
E tem? Sim! No meu ponto de vista tem.
Eu não tenho solução; nenhum pastor a tem, mas a Bíblia tem.
Em I João, capítulo 1, verso 7 registra que “Se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu filho, nos purifica de todo pecado”.
Vamos analisar juntos.
“se andarmos na luz”.
O pronome “Se” subentende que antes eu não andava na luz;
O verbo “temos” é presente do indicativo, e, nos leva a um passado recente mostrando que uma comunhão foi perdida mas que pode ou deve ser recuperado;
O verbo “purifica” é imperativo, e “purificar” é futuro do conjuntivo, indicando que algo está sujo, mas que “pode ser limpo” dês de que optemos por “andar na luz” e assim em condições de perdoar os nossos ofensores.
Lembre-se de que estamos tratando de casamento – desentendimento - separação-divórcio, e novo casamento.
O perdão é parte fundamental na construção de uma vida feliz e satisfatória entre marido e mulher.
Jesus deixou isso muito claro tanto na oração do Pai Nosso (Mateus 6: 12) como em outras oportunidades. No verso quinze do texto em questão Ele disse: “Se, porém, não perdoares aos homens as suas ofensas, também vosso Pai vos não perdoará as vossas ofensas”.
Em Mateus 18: 23 a 35, Jesus conta a parábola do credor que não tinha compaixão, nos ensinando que uma pessoa pode ficar sem o perdão divino por ter o coração cheio de amargura e que não perdoa o próximo. Em Marcos 11: 25 e 26, Ele disse que se eu não perdoar, também não serei perdoado por Deus. Em Hebreus 12: 14 e 15 diz: “Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, tendo o cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem”. (Compare Lucas 17: 3 a 5).

COMO RESOLVER O PROBLEMA DO SEGUNDO CASAMENTO.

No caso do Presbiterianismo que adota o sistema administrativo composto por Presbíteros, tendo como Presidente um Pastor, tomando conhecimento da questão em pauta e com base em Mateus 18: 15 a 22, principalmente o verso 19 que diz: “Também vos digo que, se dois de vós concordardes na terra acerca de qualquer coisa que pedirem isso lhes será feito por meu Pai, que está nos céus”, e verso 20: “Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles”.
Na tradução Nova Versão Internacional ficou assim: “Também lhes digo que se dois de vocês concordarem na terra em qualquer assunto sobre o qual pedirem isso lhes será feito por meu Pai que está nos céus. Pois onde se reunirem dois ou três em meu nome, ali eu estou no meio deles”. (Versos 19 e 20).
Ainda no mesmo capítulo, Mateus 18: 18 registra a autoridade de Jesus conferida ao Conselho responsável em resolver as questões que viriam a surgir ao longo da existência da Igreja na terra e depois que a Bíblia já tivesse sido encerrada: “Digo-lhes a verdade: Tudo o que vocês ligarem na terra terá sido ligado no céu, e tudo o que vocês desligarem na terra terá sido desligado no céu”. (NVI).
Este conselho, ou o nome que se dá em cada Denominação, funciona como um tribunal. Só que com a prerrogativa de resolver questões humanas que envolvem também o lado espiritual das pessoas que primam pela salvação em Cristo Jesus.

QUESTÕES A SEREM ANALIZADAS PELO CONSELHO

a) Ouvir as partes envolvidas em separado para que cada um apresente sua justificativa que motivou o divórcio;
b) Há quanto tempo estão separados;
c) Como está vivendo cada um dos cônjuges;
d) Se ambos já estão vivendo maritalmente com outra pessoa;
e) Como e com quem estão vivendo os filhos da antiga união;
f) Inquirir do ex-marido como está a situação financeira da ex-esposa, se está sozinha, como está morando, se tem algum tipo de renda e, se ele está cumprindo com as obrigações impostas pela lei – Pensão, roupas, saúde e outras obrigações.
Se as respostas de ambos preencherem os requisitos básicos ao ponto de convencer aos membros da Comissão, estes orarão ao Pai, pedindo que perdoe o passado e que os abençoe na nova caminhada.

CONCLUSÃO

A nova união só terá sucesso se cumprir todas esta etapas, e com a bênção do Conselho formado por homens de larga experiência de vida conjugal e profundo conhecimento das leis de Deus.
Pastores, Presbíteros, Diáconos, Anciãos, Bispos, Cooperadores e Padres solteiros, divorciados, separados e casados pela segunda vez não tem autoridade de Deus para oferecer solução nas questões conjugais.
Que os membros deste conselho tenham no mínimo vinte anos de vida conjugal e que tenham um relacionamento familiar transparente e pautado nos padrões divinos.
Oferecemos material de excelente qualidade, escrito e preparado por mim ao longo de minha vida conjugal e de fé em Cristo.

Jônatas Martins Lopes, 62 anos
Pastor Evangélico
Casado há 39 anos, 3 filhos, 5 netos
Escritor, Gráfico e Técnico em Computador.

Material disponível:
A Bíblia e a Igreja (Livreto)
A Família e o Processo Educacional dos Filhos (Livreto)
Amor Real (Livreto)
Divórcio X Segundo casamento (Artigo)
Entre a Morte e o Estado Intermediário da Alma (Livreto)
Fé (Livreto)
Namorar e Ficar (Livreto)
O Homem (Livreto)
O Ladrão, as Ovelhas e o Pastor (Livreto)
O Pai e seus deveres Constituídos (Livreto)
O Pregador (Livreto)
O Valor do Ídolo (Livreto)
Segundo Casamento (Artigo)
Tempo Final
Traços que fazem a diferença (Livro). Publicado
União Conjugal e sua Trajetória (Livreto)

prjonatas@hotmail.com
http://portaldoerudito.webnode.pt
http://crerparamudar.zip.bet

Um comentário:

Anônimo disse...

Sou divorciado e dentro do meu antigo casamento, eu e minha ex mulher cometemos traição, gostaria de saber se posso me casar de novo, pois sou noivo de uma moça evangelica e temos essa duvida.