terça-feira, 19 de maio de 2009

UNIÃO CONJUGAL E SUA TRAJETÓRIA

Gênesis 1: 26-28

Deus fez macho e fêmea como parte da criação

 
INTRODUÇÃO
No propósito de Deus é que cada homem encontre uma companheira.

Esse fato é confirmado até nas estatísticas. Nasce no mundo, aproximadamente, o mesmo número de homens e de mulheres.

Após uma guerra, onde muitos homens são mortos, algo reparador acontece; na geração seguinte nascem mais bebês machos do que fêmeas. Isso aconteceu na Europa, logo após a guerra; em apenas uma geração o equilíbrio foi restaurado.

Ter consideração pelo cônjuge é reconhecer nele mais que um ser - é ver nele alguém colocado por Deus numa posição sagrada.

Temos consideração por alguém que ocupa um alto cargo público, porque respeitamos seu cargo. Quanto mais então deveríamos respeitar a pessoa colocada ao nosso lado no casamento, pois ser apontado por Deus como marido ou mulher é ser elevado a uma posição da mais alta confiança em seu reino.

Ao considerar a estrutura do casamento, a natureza do amor romântico também precisa ser reexaminada.

O amor é algo que soberanamente existe, tem-se ou não se tem amor. Se um jovem casal, desiludidos, descobre que não se amam, conclui-se então que o casamento não foi composto com seu alimentador indispensável à sua existência.

O amor é um ingrediente essencial no casamento, mas, o casamento não depende exclusivamente do amor para sua sobrevivência. Pelo contrario, é do casamento que depende a continuação do amor.
O casamento dá ao amor as condições de permanência e estabilidade de que necessita para crescer e amadurecer.

O casamento liberta o amor da opressão do sentimento. Força a pessoa a passar por dificuldades e vencê-las para prosseguir em direção a novas dimensões de amor e entendimento. Isso porque não vivemos ao lado de alguém por sentimento, por obrigação, por dó, por preção dos nossos pais ou da sociedade, mas, porque nos amamos, porque nos atraímos, porque nos desejamos, porque nos motiva a ser feliz. Quando contraímos matrimônio, Deus ordena que nos amemos uns aos outros.

O amor do ponto de vista de Deus, não é o alicerce principal do casamento, mas o resultado de um casamento bem sucedido. Nós só ajudamos a cultivá-lo e desenvolvê-lo quando nos propositamos alcançar esse objetivo.

O marido que protege a esposa contra a falta de respeito por parte dos filhos instila neles o senso de respeito para com todas as mulheres. Isto somado ao seu exemplo pessoal de cortesia e consideração para com a esposa é parte do patrimônio que todo pai deve deixar aos filhos.

C A S A M E T O

O verbo casar é Futuro do Conjuntivo que no grego é gameo e significa ligar, unir.

A palavra gameo se deriva da raiz Gam ou gem, que quer dizer: encaixar um ao outro, formar um par, tornar-se igual, idêntico – (como um par de sapatos).

A raiz, possivelmente se relacione com a palavra gennao que quer dizer: gerar, ou, dar à luz.

O substantivo gamos significa bodas, que é a consumação do casamento.

1. CERIMONIAL

A lei do Antigo Testamento não continha qualquer forma predeterminada para uma cerimônia de casamento. Apesar disso, o casamento tem, de fato, grande importância, tanto na história da povoação da terra, como naquela dos patriarcas.

A história dos povos antigos se narra como história de família.

Nas genealogias de Gênesis capítulo 5, casar e a gerar filhos são os aspectos mais importantes das vidas que se mencionam. Embora haja de Abraão em diante até a época dos reis, evidências de poligamia (mais de uma mulher), conforme (Gn 16: 1 e ss.; 25:6; 29: 21-30; I Sm 18: 27; 25: 42,43; II Sm 3: 2-5), a monogamia (uma mulher) ocupa a posição central nas narrativas da história bíblica.

Desde o princípio, Deus estabeleceu o casamento e a família que dele surge como a primeira e mais importante instituição humana na terra, (ler) (Gn 1: 26-28).

A prescrição divina para o casamento é um homem e uma mulher, os quais se tornam uma só carne, isto é, unidos em corpo e alma.

Esse ensino exclui qualquer possibilidade de direito do adultério, da poligamia, ou da homossexualidade (Mc 10:7-9).

v - A Bíblia afirma que o homem cometeria o homossexualismo e que muitas mulheres se tornariam lésbicas [Romanos 1: 26,27].

v - Esse comportamento traria briga entre o casal e o não cumprimento dos votos assumidos ao assinarem a Certidão de casamento [Romanos 1: 30 e 31]

v - Vamos ver a normatização das relações intimas que estão descritas em Levítico capítulo 20 e versos 10 a 23.

A lei para os reis dos tempos bíblicos exigia que: “Tão pouco para si multiplique mulheres, para que o seu coração se não desvie” da moral e da ética (Dt 17: 17 comparar I Rs 11:4).

Os textos de: (Gn 1: 27; 2: 24; Mc 10: 6,7; Mt 19: 5; e Ef 5: 31) são mandamentos de Deus que demonstram sempre à vida compartilhada entre um homem e uma mulher.

CASAMENTO CIVIL NO BRASIL

Em  14 de janeiro de 1890 aconteceu em Uberlândia, Minas Gerais  o casamento de  José Teixeira  de Sant’Anna (o Zeca Teixeira)  e  Francisca Augusta Teixeira (a Dona Chiquinha) realizado no salão da Câmara Municipal pelo  Juiz  de Paz  substituo, José  da Silva Diniz  e  registrado em  Cartório pelo escrivão, Modesto Mendes  dos Santos, no livro nº 01, folhas 36v, sob o nº 76. Este foi  o primeiro  casamento  civil  da historia  do Brasil, resultado de uma  decisão judicial. Dez  dias  depois, quando o casal    estava  em lua  de mel, o presidente  da Republica, Marechal Deodoro da Fonseca assinou  o decreto nº 181 de 24 de janeiro de 1890, instituindo o casamento civil e marcando o  dia 24 de maio  de 1890 para o inicio da  sua  execução. Mas  o casamento do senhor Zeca foi baseado num decreto da Princesa  Isabel assinado em 07/03/1888, e que  até  então ninguém havia  recorrido dele. (Informação  retirada  do Livro “Historia  de Uberlândia  volume II ”  de Antonio Pereira  da Silva  pelo Pastor Carlos  Augusto)

2. DEUS IMPLANTOU NO HOMEM DESEJOS E AFETOS GENÉTICOS QUE SÃO PASSADOS DE GERAÇÃO PARA GERAÇÃO (GN 3: 16 c).

Deus fez do casamento uma influência nobilitante, que poderosamente contribuiu para o desenvolvimento de uma existência completa no homem e na mulher “não é bom que o homem viva só” (Gn 2: 18).

Abster-se do casamento somente é recomendado em casos especiais como o que está registrado em (Mateus 19: 11-12 R.A.) “nem todos são aptos para receber este conceito, mas apenas aquele a quem é dado. Porque há eunuco de nascença; há outros a quem os homens fizeram tais; e há outros que a si mesmos se fizeram eunucos; por causa do reino dos céus”.

[Novo Testamento na Linguagem de Hoje] “Pois há razões diferentes que tornam alguns homens incapazes para o casamento: uns, porque nasceram assim; outros, porque foram castrados; e outros ainda não casam por causa do Reino do Céu”.

A palavra eunuco se refere ao homem que cuida do quarto onde dorme marido e mulher. (Empregado doméstico)

Aos camareiros reais era dado o nome de eunuco. No oriente, os indivíduos incapazes para as funções sexuais eram empregados no ofício de guarda das suítes matrimonias.

Não é muito certo que este nome tenha o mesmo significado em todas as passagens da Escritura, houve, por exemplo, Potifar que era o eunuco e cuidava da casa de Faraó e era casado (Gn 39: 1,7).

A proibição ao casamento não deve ser imposta pela religião (I Tm 4: 2,3).

3. UM CASAMENTO BEM ALIMENTADO EVITA O PECADO DA COBIÇA (Êx 20: 17).

Em I Coríntios 7:7-9 o apóstolo Paulo fala sobre isso. “Mas se não podem conter-se, casem-se. Porque é melhor casar do que abrasar-se” (v 9).

A palavra abrasar aqui está no sentido de excitar ou entusiasmar-se, isto é, ao botar os olhos em alguém do sexo oposto, procurar no pensamento uma relação sexual realizável. Este é o pecado da cobiça de (Êx 20: 17).

4. PONTO DE VISTA CRISTÃO

O casamento é mandamento bíblico, e é bênção na vida do homem (Pv 18: 22; I Tm 3: 2,12).
Do ponto de vista cristão, o casamento é uma instituição natural e estabelecida por Deus logo após a criação do homem. Une duas pessoas de sexo diferentes para viver junta uma à outra até que a morte os separe.

Mesmo fora do meio cristão, considera-se que o casamento é bom para a saúde física, mental e sexual - tanto do homem como da mulher.

Pessoas casadas têm câncer e problemas cardíacos mais raramente e vivem mais que as pessoas solteiras, de acordo com a revista alemã Neus Leben, que se baseou em dados científicos.

Também entre os casados, o número de suicídios é menor. Ainda segundo a pesquisa, o casamento é um dos fatores que mais contribui para a felicidade pessoal.
A própria Palavra de Deus valoriza tanto o casamento que traz em seu contexto um livro [Cantares de Salomão] que descreve o amor intenso entre um homem e uma donzela. Os dois trocam entre si juras de amor e elogios de beleza física e sensual.

Peça: AMOR NÃO CORRESPONDIDO. Escrito por pastor Jônatas Martins Lopes. Pedido: prjonatas@hotmail.com [44] 9950-5691.

No primeiro livro da Bíblia é narrada a história das três famílias dos tempos dos patriarcas [1.900 - 1.600 a C.], não escondendo os problemas que surgiram ao longo da história conjugal de Abraão e Sara; Isaque e Rebeca e Jacó e Raquel.

Três quartos do livro de Gênesis, (capítulos 12 - 50) ocupam-se em relatar estas lindas histórias românticas destes três casais que ficaram para sempre como exemplo para todos nós.

É preciso então que aja um equilíbrio entre o sonho apaixonado de Catares de Salomão e a realidade no dia-a-dia do livro de Gênesis, o encantamento, as dificuldades de relacionamento e as obrigações impostas pelo projeto de vida de cada casal.

“Põe-me como selo sobre o teu coração, como selo sobre o teu braço, porque o amor é forte como a morte, e o ciúme duro como a sepultura; as suas brasas são brasas de fogo, labaredas do Senhor.” [Ct 8: 6].

O ciúme é uma disposição ou atitude que não tolera a infidelidade. Nesse sentido Deus é zeloso, tem ciúmes e exige que os seus seguidores adorem somente a ele e, que Ele, Deus, seja o centro entre marido e mulher.

5. O CASAMENTO FOI CONSTITUÍDO PARA:
Que o homem não se sinta abandonado
[Gênesis 2: 18] E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele.
Geração de filhos (Jr 29:6; I Tm 3: 2);
Para ser honrado (Hb 13:4; Ml 2: 14-15);
Para impedir a prostituição (I Co 7:2) e,
Para unir o homem e a mulher em um relacionamento sólido (Mt 19:6).
Só a morte pode por fim a esta inião (Rm 7:2-3; I Co 7: 39).
A união entre marido e mulher foi confirmada por Jesus (Mc 10:9).

A fidelidade do marido e da mulher no cumprimento de seus deveres é indispensável para se atingir os fins morais e éticos do matrimônio.

Os laços da família não podem ser dissolvidos por nenhum ato legitimado pela sociedade (Rm 7: 2,3).

6. O CASAMENTO EM SI ERA UM NEGÓCIO FAMILIAR
Não havia cerimônia civil, o casamento era apenas confirmado por uma espécie de juramento, (Provérbios 2: 17; Ez 16:8; Malaquias 2: 14).

O Reverendo J. R. Carvalho Braga, faz o seguinte comentário sobre a legalização do casamento; - “Depois do exílio estabeleceu-se o costume de lavrar um contrato selado”, citando em seu argumento o capítulo 7, verso 14 do livro de Tobias, na Bíblia Católica que diz: “Chamou então a mãe da moça e disse-lhe que trouxesse uma folha de papiro para escrever. E na folha escreveu o contrato de casamento, declarando que dava sua filha a Tobias como esposa, segundo a prescrição da lei de Moisés. E lhe pôs o selo”.

Se isto era realmente assim não sabemos com certeza. O que sabemos é que os serviços prestados por Moisés à causa do matrimônio consistiam em estabelecerem ideais sólidos, marcando os graus de consangüinidade e de afinidade dentro dos quais se permitia o casamento, segundo a lei (Lv 18: 6 -18; Dt 17: 17)
A pureza era exigida na vida matrimonial (Êx 20: 14,17).

7. POLIGAMIA (MAIS DE UMA MULHER) E SUAS CONSEQÜÊNCIAS.
Desde os tempos adâmicos já havia a poligamia. Lameque por exemplo tinha duas mulheres (Gn 4: 19).

o Abraão, por não entender o plano divino adotou a poligamia (Gn 16:4).
o Isso trouxe grandes problemas para ele e para sua esposa (Gn 16: 5,6);
o E para toda a nação de Israel até os dias de hoje (Gn 16: 11,12).

A poligamia causou males e ciúmes às mulheres de Eucana (I Sm 1: 1, 2, 6).

A poligamia é um contraste com a beleza do casamento entre um homem e uma mulher descritos em: (Sl 128:3; Pv 5: 18; 31: 10-29; Ec 9:9).

Adão, Noé, Cem, Cão e Jafé tinham só uma mulher.
O criador oficializou a monogamia e Jesus deu o veredito à permanência desta relação, fazendo com que os afetos entre o marido e a mulher cresçam na proporção dos anos de convivência. Os fins morais exigem que esta relação seja permanente (Mc 10:9).

CONCLUSÃO
Para que o casamento seja bem sucedido e abençoado, é preciso que o moço e a moça obedeçam aos preceitos bíblicos normativos que indicam o relacionamento amoroso e compreensivo desta união.

Desde que Eva foi criada, muita coisa tem mudado na vida das mulheres, mas as coisas mais importantes, aquelas que nos trazem felicidade e realização, permanecem inalteradas por fazerem parte da essência da mulher. Ainda hoje a esposa precisa que seu marido lhe dê três coisas que satisfarão às necessidades básicas do seu coração:

Segurança;
Liberdade;
E honra.

Estes gestos da parte do marido, derivam do conceito do amor ágape, doador e sacrificial com que o marido é ordenado a amar sua esposa, conforme Efésios 5: 25.

O amor manifesto pelo marido traz segurança à esposa. É o amor que toma iniciativa, e o homem foi especialmente capacitado por Deus para oferecer esta segurança, é ele quem procura; que corteja; que conquista. Isso faz parte de sua natureza, e a mulher se sente amada com estas iniciativas da parte do marido.

A mulher que é assim conquistada se sente mais segura e mais protegida.

O marido amoroso não apenas conquista o coração da mulher, mas também o alimenta por meio de atos carinhosos, como lhe dar a mão quando estão juntos, dirigindo a ela palavras de elogios, pois sabe que a mulher é atraída pelo que ouve.

Pequenos gestos que para o homem talvez nem façam muito sentido, como dar um presentinho: Flores; Perfume; comprar coisas que ela gosta para as refeições..., para ela isso faz a diferença!

O marido deve fazer com que ela perceba o respeito que ele tem pela pessoa feminina que ela é e por sua maneira diferente de pensar e de expressar;

Planejar uma viagem ou até mesmo programar algum momento especial só para os dois alimenta o prazer da esposa em tê-lo como marido.

E finalizando, existem alguns conselhos bíblicos aos solteiros antes de firmarem o compromisso da união conjugal cuja permanência deve ser para a vida toda.

1. Prudência (Sl 1:1). Prudência é a qualidade de quem age com moderação, buscando evitar tudo o que acredita ser fonte de erro ou de dano;
2. Cuidado com a ambição (Pv 1: 19; 23:6; 24:1);
3. Verificar as origens antes de dar início ao namoro (Pv 4: 14);
4. Cuidado com o lobo (I Co 5: 11);
5. A união com uma pessoa não crente dificilmente terá sucesso (II Co 6: 14);
6. A recomendação bíblica é nem se aproximar dos que não confessam as doutrinas de Cristo (II Jo 9,10);


 
Escrito por: Pastor Jônatas Martins Lopes
prjonatas@hotmail.com
http://portaldoerudito.webnode.pt
Http://crerparamudar.zip.net

Um comentário:

Anônimo disse...

A sim em Sr. Jônatas!!!! muito profundo seu texto esta de parabens!!!!! de seu filho Eneias...